Município de Almodôvar

Notícias

Festival Terras Sem Sombra 2013

O mais importante festival de música sacra do país abre em Almodôvar

Stabat Mater de Pergolesi marca início do 9.º Festival Terras Sem Sombra

A igreja de Santo Ildefonso, matriz de Almodôvar, recebe no próximo sábado, dia 13, abertura da 9.ª edição do Festival Terras sem Sombra, este ano consagrada à polifonia. O arranque faz-se com um título promissor, “Arquitecturas do Espírito”, que evoca uma das marcas distintivas do FTSS: associar os mais belos monumentos religiosos do Alentejo meridional às grandes páginas da música sacra, antiga e contemporânea, através da interpretação de alguns dos melhores intérpretes da atualidade, nacionais e estrangeiros.
Raquel Alão, soprano portuguesa, e Marifé Nogales, mezzosoprano espanhola, duas vozes já reconhecidas nos palcos europeus, e o Concerto Moderno, orquestra de cordas dirigida por César Viana, trazem à alma mater almodoverense um programa de exceção: o Adagio e Fuga, K. 546, de W. A. Mozart, o Requiem de Takemitsu, e o Stabat Mater, de Pergolesi. Três momentos fulgurantes da evolução da tradição polifónica na música ocidental que partilham de uma raiz espiritual comum, a meditação sobre o sentido da vida e da morte, realidade que cruza transversalmente a consciência europeia e, além dos seus ressaibos éticos e religiosos, tem uma dimensão artística profundíssima.
Mozart nasceu 20 anos após a morte de Pergolesi, mas continuou, com brilhantismo, as tradições do Barroco. Entre Wofgang Amadeus e Pergolesi, o concerto de Almodôvar destaca um grande mestre do século XX, o período mais multifacetado da história da música, Toru Takemitsu.

Músicos associam-se à comunidade local para salvaguardar a biodiversidade

A primeira acção de sensibilização ambiental promovida pelo Festival em 2013 centra-se nabiodiversidade da ribeira do Vascão e está ligada às comemorações do Ano Internacional de Cooperação pela Água, em colaboração com o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas e a Associação de Apicultores do Parque Natural do Vale do Guadiana. No domingo de manhã, às 10h30, os artistas “descem do palco” e juntam-se à comunidade local, para um encontro marcado junto ao curso fluvial.
A ação visa a conservação dos ecossistemas ribeirinhos deste importante afluente do Guadiana, recentemente classificada como Sítio RAMSAR – Zona Húmida de Importância Internacional. Reveste-se, pois, de valor, sendo o ponto alto as ações de pesca direcionadas para as espécies exóticas (principal ameaça dos ecossistemas ribeirinhos), de modo a preservar o equilíbrio de uma importante fronteira natural entre o Alentejo e o Algarve.
Sendo a apicultura uma das atividades com maior expressão económica na região, os participantes poderão ainda contactar com esta atividade, que tem, neste território serrano, características excecionais, vinculadas à diversidade e à qualidade da flora, e cujo produto final é o tão conhecido mel de Almodôvar. Para os mais corajosos será promovida a visita a um apiário próximo da ribeira, de modo a conhecerem, de perto, os meandros de uma atividade ancestral. Também o pão, os enchidos, e as ervas aromáticas serão lembrados, havendo ocasião para a degustação de todos estes produtos regionais.