Município de Almodôvar

Notícias

Exposição Conjunta de Domingos Oliveira e Óscar Alves

Vai ser inaugurada no próximo dia 18 de Janeiro, pelas 18h00m, a Exposição de Domingos Oliveira e Óscar Alves , intituladas “Quarto Crescente e Á tua Espera”, que estará patente na Galeria de Exposições da Praça em Almodôvar até ao próximo dia 25 de Fevereiro.
Óscar Alves nasceu no Porto. Estudou desenho, pintura e escultura, ao mesmo tempo que ingressa na Escola Superior de Belas Artes. Integrou o elenco do Teatro Experimental do Porto dirigido pelo poeta e pintor surrealista António Pedro. Depois do Porto, e em busca de novas experiências, parte para Lisboa onde expõe na Sociedade Nacional de Belas Artes sob o aplauso de Almada Negreiros, Jorge Barradas e da crítica (numa obra onde mistura a escultura, a cerâmica e a pintura). Durante dois anos radica-se em Madrid onde expõe, inovando técnicas e materiais, na sua obra escultórica. Em 1990 um seu quadro de nome "Duas Luas" é vendido na Christie's de Londres. Expõe em Madrid, no ano de 1993, ao lado de doze pintores espanhóis de relevo e neste mesmo ano a Galeria Ponce de Madrid encomendou uma Peça de Escultura. Posteriormente apresenta-se, na Estampa 94, como pintor da mesma galeria. Em 1995 um quadro seu "Ite Missa Est" é leiloado pela Christie's de Nova Iorque.
Domingos Oliveira nasceu em Atei, concelho de Mondim de Basto. O ambiente transmontano, o agreste do clima e a infância vivida entre fragas, marcarão para sempre, a sua obra. Em 1968 migra para Lisboa em busca de novos horizontes que ainda não acontecerão sem que antes tenha de viajar até África para cumprir o serviço militar. A estadia em Luanda e o ambiente de guerra que então se vivia, irão despertar nele um novo conceito de vida. Em 1979 conhece o escultor/pintor Óscar Alves e é no atelier deste artista que esboça os primeiros movimentos com o barro. Com uma enorme força de vontade consegue realizar a sua primeira exposição em 1980, na cidade de Santarém. Em Madrid trabalha com o fundidor José Luiz Ponce (um dos grandes fundidores da península). As exposições continuam. Agora, já com o seu próprio atelier, começa a executar encomendas e a trabalhar o bronze, a prata e o ouro. A sua obra vai-se espalhando em colecções por vários países do mundo.

Sobre estas exposições, Rui Pereira da Direcção Artística do Museu Jorge Vieira escreveu:

“Homens e Mulheres caminham pela vida, lado a lado, por vezes em sentidos comuns e muitas vezes afastados. A obra quarto crescente é um tributo ao ser no feminino: o Sol e a Lua, o homem e a mulher e o avolumar da esfera lunar como sinal claro de fecundidade; que acontece no mistério da lua quando abraça o nascimento e acompanha o desenvolvimento dos filhos, ou quando adormecemos no escuro da noite e revemos as memórias de menino, ou penetramos nos sonos mais profundos e confundimos o sonho com a fragilidade da nossa existência - as recordações de infância, a casa onde nascemos e crescemos...(…) Á tua espera é o mote duma história real que se transformou numa lenda. A pintura de Óscar Alves é o recorte de histórias de Reis e Rainhas, de conquistadores, de submissos ou insubmissos, dos perdidos ou desaparecidos. Uns são gordos, outros magros e o tempo, desses tempos, é um período que faz parte da história nacional que se parece, em muito, com os tempos de hoje(…)“