Município de Almodôvar

Notícias

Almodôvar acolhe inauguração do Festival Terras Sem Sombra 2015

Almodôvar acolhe inauguração do Festival Terras Sem Sombra 2015

Festival Terras Sem Sombra arranca em Almodôvar com cânticos medievais hispânicos e uma viagem pelas margens do Vascão em prol da biodiversidade.

É já no próximo sábado dia 14 de Março, pelas 21.30H, que terá lugar na igreja matriz de Santo Ildefonso, em Almodôvar, o tão aguardado concerto de abertura da 11.ª edição do Festival Terras Sem Sombra. À semelhança das edições anteriores, todos os concertos e atividades que decorrerão até 4 de Julho serão de entrada gratuita. A organização do festival está a cargo do Departamento do Património da Diocese de Beja e a iniciativa em Almodôvar resulta de uma parceria com a Câmara Municipal.

 

 Fundado em 2003, o Festival Terras sem Sombra coloca a tónica na descentralização cultural, na formação de novos públicos, na inclusão, na sustentabilidade e na irradiação do Alentejo. Uma programação de qualidade internacional integra – para além dos concertos – conferências temáticas, visitas guiadas e acções de pedagogia artística. A valorização dos recursos naturais constitui outra das suas prioridades: a cada espectáculo associa-se uma acção de voluntariado para a salvaguarda da biodiversidade, com a participação, ombro a ombro, dos artistas, do público e das comunidades que o Festival percorre.

  Nesta 11.ª edição, o FTSS inclui entre as suas novidades a direcção artística do reputado crítico de música espanhol Juan Ángel Vela del Campo.

  O concerto de Almodôvar no próximo dia 14 de Março inaugura uma edição do FTSS que tem como tema “O Magnum Mysterium – Diálogos Musicais no Sul da Europa (Séculos X-XXI)”.  O programa do concerto, Medievália Ibérica: Monodias e Polifonias Hispano-Portuguesas dos Séculos X a XIV, reúne um reportório de cânticos sagrados hispânicos que pelas suas origens e raridade da sua interpretação o torna um motivo de grande interesse para todos os amantes da música.

  Com interpretação a cargo do ensemble Schola Antiqua – que, juntamente com o seu director musical, Juan Carlos Asensio Palaciosse dedica ao estudo, investigação e interpretação da música antiga e, em especial, de canto gregoriano, sendo internacionalmente considerados como integrando “a 1.ª Divisão do Canto Gregoriano Peninsular” – o interessante e cativante programa deste concerto une Portugal, a Galiza e uma zona de França com muitas relações com esta área ibérica. 

  Destaca-se do programa uma selecção de peças gregorianas incluídas no Breviário de San Rosendo de Celanova, localizado na diocese de Orense, região galega que manteve sempre contactos muito intensos com Portugal. O códice em questão, datável do último terço do século XII, apresenta-se como um produto típico da transição do rito hispano-visigótico para o romano-franco, ao combinar a nova liturgia com reminiscências da antiga.

Outra raridade interpretada pelo Ensemble Schola Antiqua será a antífona em verso rítmico Stella coeli exstirpavit, de origem incerta, amplamente difundida como fórmula de protecção contra a peste e cujo texto, de manifesto colorido astrológico, compõe-se de duas estrofes seguidas por três invocações a Maria, mãe de Cristo.

Ainda no âmbito da devoção à Virgem, as litanias que introduzem o concerto Medievália Ibérica são exemplificativas não só das orações intercessórias associadas às práticas processionais, mas também das mutações e acréscimos de índole mariana a que o repertório litânico dos santos foi sujeito a partir de finais do século XII.

Testemunhos magníficos de polifonia medieval são igualmente as três composições relacionadas com a Ordem de Cister incluídas no programa, bem como o hino a duas vozes, Exultet caeli curia, dedicado a São Bernardo, o fundador da casa-mãe cisterciense de Claraval. Esta peça, datável em torno a 1225, constitui o único exemplo chegado até nós de escrita polifónica portuguesa anterior a 1400 e ainda, simultaneamente, um dos dois testemunhos mais antigos de polifonia ibérica.

 

Pelas Margens do Vascão

Tal como é já tradição das edições anteriores, músicos e público, moradores e visitantes juntam-se no dia seguinte – neste caso, domingo, 15 de Março –, para uma acção de voluntariado orientada para a salvaguarda da biodiversidade.

Esta caminhada pelas margens da ribeira do Vascão conta com a colaboração do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (Parque Natural do Vale do Guadiana) e da Liga para a Protecção da Natureza, com o apoio da Câmara Municipal de Almodôvar.

A organização do Festival Terras Sem Sombra tem apostado fortemente na defesa e promoção do estudo e valorização da bacia do Vascão, sendo este o quinto ano consecutivo em que é inclui no programa de biodiversidade do festival.

Este rio, que assinala a fronteira entre o Alentejo e o Algarve e, simultaneamente, estabelece a ligação entre morfologias (Serra do Caldeirão e Peneplanície alentejana), é um dos poucos cursos de água relevantes em Portugal sem qualquer interrupção no seu trajecto (barragens ou represas). Facto singular, constitui um dos critérios mais relevantes para a classificação da área como Sítio Ramsar.

Ao longo de um percurso pedestre, os participantes nesta acção analisarão a biodiversidade do Vascão nas suas múltiplas facetas e serão indicadas pistas para a sua valorização. A iniciativa associa-se ao projecto LIFE Saramugo – Conservação do Saramugo (Anaecypris hispanica) na Bacia do Guadiana, da Liga para a Protecção da Natureza, recentemente iniciado e que tem actuações previstas neste curso de água.

 

A Valorização da Aguardente de Medronho, Património do Sul 

A componente patrimonial e promoção e a internacionalização dos produtos regionais é outra das marcas de identidade do Festival Terras Sem Sombra, que este ano escolheu a aguardente de medronho, produto de excelência da região de Almodôvar.

Esta aguardente (Arbutus spiritus) é uma bebida muito conhecida em todo o país, em especial no Sul. Toma-se quase sempre após a refeição, com o café, como um digestivo. O medronheiro (Arbutus unedo L.), por seu turno, é uma das espécies mais comuns de frutos carnudos na região do Mediterrâneo.     

Em São Barnabé, uma freguesia nas serranias entre o Alentejo e o Algarve que enfrenta o envelhecimento da população, a crescente emigração, a desertificação e a degradação dos solos, desde sempre que o rendimento familiar se funda na agricultura e a produção de aguardente de medronho representa uma contribuição forte para o sector económico. Trata-se de uma actividade tradicional que faz parte da herança cultural portuguesa e está a conseguir sobreviver ao declínio do interior.

Na zona de Almodôvar, o clima continental proporciona que a Primavera esteja cheia de flores e o Verão se revela amiúde quente e seco, sendo, pois, um lugar perfeito para os medronheiros, que crescem espontaneamente ao longo da vasta faixa montanhosa em que se destaca a Serra do Caldeirão. Surpreendem-nos aqui um território único, com uma mancha vegetal pouco tocada pelo homem, e sucessivos espaços onde a agricultura tradicional permanece inalterada, em equilíbrio com a natureza. O medronheiro constitui um elemento importante nesta paisagem única.

O medronheiro cultiva-se, entre nós, pelo menos desde o século IX. Em Outubro, Novembro e Dezembro, ocorre a colheita à mão dos medronhos, sendo, depois, alvo de processamento em pequena escala, sem aditivos, de modo a obter-se um sabor perfeito.

Tem-se conjecturado que a tecnologia de destilação do medronho terá vindo para a Península Ibérica com os muçulmanos. Em bom rigor, até hoje, foi muito pouco o que mudou desde a época medieval. Não existe uma indústria em grande escala de produção da aguardente de medronho no país. Tudo costuma ser feito localmente, sob a forma de pequenos negócios familiares, o que assume uma dimensão cultural e social muito importante, nem sempre bem compreendida.

Há poucos anos, um excesso de zelo na interpretação da legislação comunitária lançou o caos entre as modestas destilarias alentejanas e algarvias. O bom senso acabou por imperar. Na actualidade, jovens empresários estão a dar cartas no sector, cujo futuro se adivinha risonho. Após uma grave crise que afectou muitas explorações agrícolas e industriais do Sul, é com orgulho que a região assiste à fecunda transmissão de artes e saberes entre gerações, ao serviço de um produto de qualidade: a aguardante de medronho, um dos símbolos da identidade nacional.